sábado, 12 de março de 2016

A LÁGRIMA ROLOU NO ROSTO ENRUGADO DE ADELAIDE


(Vídeo de Márcio Ramos)





Pressentia-se uma estranha atmosfera dividida entre a modorra e a efervescência na Praça 8 de Maio. Nos beirais em redor, os pombos, como sentinelas de um quartel sitiado, miravam tudo à sua volta. Está bem que sendo Sábado e, como parte do descanso semanal, é um dia em que a maioria, sem horário para cumprir, estende as pernas e passeia o olhar numa divagação entre o tudo e o nada. Por outro lado, é também certo que, neste penúltimo dia da semana, se realizava a feira do artesanato nas ruas da calçada e o ambiente estava composto.
Na esquina que dá para a Rua Direita e junto ao Olímpio Medina, o “Zé Preto”, depois de uma ressaca mal curada e com cara de missão, com a perna direita a fazer um quatro e com o chapéu de “cowboy” sobre o rosto ressequido de tantos balázios em copo de três, parecendo que estava a segurar a parede, esperava qualquer coisa.
Junto à entrada da Igreja de Santa Cruz e Panteão Nacional, o “Fininho”, afilhado por afinidade genética do fundador da Nacionalidade, estendendo a mão à caridade turística, em busca de uma moeda para um dia-a-dia melhor e, sobretudo, para que o frequentador da vetusta catedral, cheio de nódoas negras na alma, mais facilmente encontre o caminho do Céu, ora dava um passo atrás, ora dava dois à frente.
Foi então que, quando os ponteiros do relógio electrónico da Farmácia Universal marcaram 10h30, o mistério começou a desvendar-se como paisagem carregada de nevoeiro em manhã de Agosto. Vindo dos lados da Rua da Sofia, como que preparado para um duelo, chapéu sobre o rosto e a fazer lembrar Sartana, o “western” da nossa juventude, A. Castelo Branco, um simpático amigo da Baixa, trazendo numa mão uma caixa, se encaminhou para a Dona Adelaide, a última tremoceira, que estava sentada no parapeito de pedra em frente ao antigo BES e agora Novo Banco para mais um dia de trabalho igual a tantos passados. Ao mesmo tempo, um comerciante, conhecido e que é um grande cromo na zona, entregou um ramo de flores à anciã. As lágrimas irromperam em catadupa saídas das catacumbas do espírito da velhinha, e o enigma finalmente se desvaneceu: Adelaide, mulher de história, cujos vincos na face enrugada mostram o apedregulhar de uma vida de sacrifício, comemorou hoje 92 anos.
Por iniciativa de A. Castelo Branco foi-lhe feita esta festa surpresa. O antigo funcionário da Fundação Inatel -que escreveu uma carta no “Fala o Leitor”, do Diário de Coimbra, a dar conta da notícia-, puxando da pistola acendeu as duas velas. Seguidamente fez um discurso solene e em nome dos presentes desejou longa vida à aniversariante e que, no mínimo, chegasse ao século de existência. Em privado referiu a necessidade da preservação da espécie e fez apologia da citação de autor desconhecido de que “um velho que morre é uma biblioteca que arde”.
Com um bolo de aniversário oferecido pela pastelaria Palmeira, na Rua da Sofia, vários comerciantes da zona se associaram à festa como, por exemplo, o Marques, da Casa dos Enxovais, e o Silva, da Ourivesaria Silva. Também outros transeuntes ocasionais provaram o espectacular doce da nossa mais conhecida confeitaria da Baixa e lamberam os beiços. 
Marcelo Rebelo de Sousa, o novo Presidente da República, não esteve porque não foi convidado –se tivesse sido, mais que certo, teria estado. O mesmo se poderá dizer dos políticos do palácio do paço –não estiveram mas poderiam ter estado. 
Só gente humilde, como humilde é o nosso povo, rodeou a nossa grande amiga. Desde a Helena, do quiosque Espírito Santo, ao Paulo Gonçalves, do Café Santa Cruz, ao “Fininho”, como o tal comerciante pseudo-jornalista cá da aldeia, assim como o cauteleiro da nossa praça o João Monteiro, até ao Melga –um outro cromo conhecido que realiza vídeos "pro bono"-, todos cantaram os parabéns à mais antiga vendedeira de pistáchios, amendoins e tremoços nas ruas do nosso bairro histórico e ícone de respeitabilidade.
Muitos anos de vida, senhora Adelaide. Gostamos muito de si.

2 comentários:

JPG disse...

Maravilha!!!

Com gestos destes, a Baixa continua viva!!!

Abraço!

SuperFebras disse...

Amigo

Biso o que foi dito pelo meu caro amigo e conterrâneo Dr. João Pedro.
Sabe, são histórias como esta que vão animando o bar do Zé ( Joe's Bar ) à hora da bica, por aqui titulada de "espresso", fazendo inveja a tudo e todos, do minhoto ao algarvio, do madeirense aos curiscos açoreanos e " se mais mundo houvesse" até esses, tan doçura humana invejariam.
Desta vez vou levar comigo o iPad para que também encherguem e possam louvar.

Um abraço
Álvaro José da Silva Pratas Leitão